quinta-feira, 16 de julho de 2009

LINO ORNELAS



Solo de bateria no Art'Camacha 89



O Lino Ornelas iniciou-se como baterista em meados dos anos 80, em bandas de garagem que chegaram a ter um certo impacto no meio musical alternativo da Madeira, como os “Sucata” e “Monges do Tibet”. Numa região insular, onde a música encontrava grandes barreiras, que limitavam em muito a oferta e o mercado, tornando ainda mais difícil a uma banda crescer, estes grupos de garagem conseguiram, ainda assim, impor o seu nome e serem ouvidos. Porém, este foi apenas o início para um baterista em ascensão, pois, com um talento natural para a bateria e a percussão, o Lino entrou para os “A Outra Banda” (grupo de covers - que incluíam no seu repertório alguns temas originais -, que actuavam como banda de suporte do Café Relógio) e surpreendeu todos aqueles que o viram tocar no Art’ Camacha 88, com um solo de bateria extremamente virtuoso! Aqui demarca-se, inquestionavelmente, como um baterista de alto gabarito, versátil, e exímio, que usa as baquetas com grande destreza e perfeição. A partir daqui, seguiu-se um curso de bateria e percussão em Londres, na “Musician Academy”, durante dois anos. De regresso a Portugal, estabeleceu-se de “armas e bagagens” em Lisboa, fundando os “Porquinhos da Ilda”, tendo saído do projecto alguns anos depois, para formar, já na Madeira, os “Bluff”, com um dos actuais membros da banda regional "Cool Feel Band". Desta reunião nasceu uma demo (disponível nesta página). Desde os anos 90, até aos dias de hoje, o Lino deambulou por muitos outros agrupamentos, revelando a sua faceta camaleónica, pela capacidade de se adaptar, com perfeição, a diversas áreas musicais, desde a música tradicional até à pop ou ao rock. Passou por nomes como os “Puzzle” e os “Vinil”, estando neste momento a tocar com a banda do Casino da Madeira, “A Bandazinha”, e com os “C’Azoada”.




BLUFF
1. Rosa dos ventos
2. Rhum
3. Não me Rendo
4. No fundo do mar
5. Cavalo de fogo















VINIL AO VIVO:


Sem comentários: