sexta-feira, 3 de outubro de 2008

GRACIANO CALDEIRA




O Graciano Caldeira iniciou-se nas lides da música com a sua primeira banda pop, os “Face" em 2002, a partir daqui, foi uma evolução imparável, alternando o percurso da sua carreira como músico, por direcções tão vastas, como o projecto denominado "Quantum Theory" (uma banda com uma sonoridade próxima do New Metal) e outras explorações musicais, completamente antagónicas desta, como o seu investimento na viola de fado aos 16 anos. Sendo um músico muito volúvel, facilmente se adaptou a vários instrumentos (embora sendo a guitarra o seu instrumento de eleição), tornando-se um multi-intrumentista versátil, característica esta que lhe é uma mais valia no agrupamento Banda D’Além, grupo no qual toca todo o tipo de instrumentos tradicionais e guitarra. Em 2005 entrou para o curso de jazz, tendo-o já finalizado. Nesta área destacou-se no festival de jazz nacional, no teatro S. Luís, sendo considerado o melhor instrumentista do festival, tendo sido este o melhor reconhecimento do seu trabalho como músico. Em 2008 formou um quarteto de jazz (juntamente com o Ricardo Dias no contrabaixo, o Rafael Andrade no Trompete e o Rose Pereira na bateria), com o qual fez uma série de concertos no Verão do mesmo ano. O Graciano é um músico profissional irrequieto, estando sempre á procura de novas oportunidades na música que o levem a novos patamares.





Interpretação de "Bright Size of Life", de Pat Metheny,
na 6ª festa do Jazz XV, no Teatro S. Luíz



1 comentário:

Carmen disse...

Oi Nélio, Oi Graciano
Fiquei feliz por ver esta informação no teu blogue, Nélio. Já me tinha interrogado porque é que o Graciano ainda não tinha colocado aqui nada sobre o seu trabalho. Ele, (tu) mereces, Graciano. Vais ser uma grande figura da música portuguesa e eu vou ficar sempre muito, muito orgulhosa de ti.
Um beijinho para ambos.
Carmen Duarte